Tema: O MST e a violência no campo

MST protesta contra violência no campo e pede reforma agrária

O MST e a CUT escolheram o Pará como palco principal de protestos. A ideia é chamar a atenção para o que vem acontecendo no Estado. O Pará é um dos Estados mais violentos e perigosos para os ativistas que lutam por reforma agrária e em defesa do meio ambiente. Em 2010 foram assassinados, no Estado, 18 trabalhadores rurais de um total de 34 mortes no país. Desde maio, cinco lideranças já foram executadas por pistoleiros, a mando de madeireiros e latifundiários. Até o momento nenhum assassino ou mandante foi preso. A impunidade reforça a sensação de insegurança entre as lideranças dos trabalhadores rurais que temem novos ataques.

 

http://www.redebrasilatual.com.br/radio/programas/jornal-brasil-atual/mst-protesta-contra-violencia-no-campo-e-pede-reforma-agraria-1

 

 

Mortes de 19 sem-terra no Pará deram origem ao “Abril Vermelho” do MST

 

 

 

http://agente190.blogspot.com/view/classic?z

 

Brasil tem histórico de assassinatos e massacres no campo; veja casos emblemáticos

Entre 2000 e 2010, mais de 400 camponeses, ativistas e ambientalistas foram assassinados no Brasil. O país também tem um histórico de massacres no campo. Veja abaixo alguns dos episódios emblemáticos da violência no meio rural.

 

 

 


  • Chico Mendes


  • Haximu (RR)


  • Corumbiara (RO)

    Pistoleiros e policiais militares mataram 12 sem-terra no dia 9 de agosto de 1995 no município de Corumbiara (RO), em uma área improdutiva ocupada pelos trabalhadores. O massacre ocorreu durante uma tentativa de desocupar a fazenda.


  • Carajás (PA)

    Dezenove sem-terra ligados ao MST foram mortos durante uma ação truculenta e atabalhoada da Polícia Militar do Pará em Eldorado dos Carajás (PA). Até hoje os responsáveis pelo crime estão em liberdade.


  • Cacique caiová

    Em janeiro de 2003, pistoleiros armados espancaram e atiraram em índios guaranis-caiovás que ocupavam terras em Juti (MS). Na ação, o cacique Marcos Verón, que tinha 72 anos, foi morto. Três fazendeiros foram condenados pelo crime.


  • Keno


  • Dorothy Stang

    Ativista ambiental e da causa dos trabalhadores rurais, Irmã Dorothy Stang foi morta em Anapu (PA), em 12 de fevereiro de 2005, com seis tiros. O fazendeiro Vitalmiro Moura foi condenado a 30 anos de prisão.


  • Felisburgo (MG)

    Cerca de 20 homens armados mataram cinco sem-terra ligados ao MST e feriram outros 13 no massacre de Felisburgo (MG), ocorrido em novembro de 2004. Os responsáveis permanecem em liberdade


  • Castanheiros no Pará


  • Líder do MCC em RO

    Adelino Ramos, o Dinho, liderança do Movimento Camponês Corumbiara (MCC) e sobrevivente do massacre de 1995, foi morto na sexta-feira (27) em Vista Alegre do Abunã (RO). Ele também denunciava a ação de madeireiros.

 

 

http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/infografico/lista-personalidades/2011/05/31/brasil-tem-historico-de-assassinatos-e-massacres-no-campo.jhtm

 

 

Proposta: Faça uma reflexão sobre o tema e redija um artigo de opinião, expondo de maneira coerente seus pontos de vista sobre o tema.

 

 

Cláudio Bertode

S.O.S Voz

Claudio Bertode

Formado em Letras pela Universidade de Brasília, Cláudio Bertode é Poeta, Cronista e Educador na Rede Pública e Privada do Estado de Goiás.