Publicação de blog com vídeo de vereador faz prefeito recuar sobre piso de professores

            Foi divulgado no blog “Folha de Jaraguá” um vídeo em que o vereador  Cleiber Junior, da base do prefeito Ival Avelar, estaria supostamente, desmentindo boatos maldosos e esclarecendo a população sobre a verdade a respeito de um projeto do Prefeito de Jaraguá em relação ao piso salarial dos professores municipais.

No vídeo em questão, o eloquente vereador, afirma e enfatiza, inclusive em tom de repreensão, que muitos agem de má fé ao questionar um projeto como esse. Esbraveja  e lamenta, Cleiber Junior,”que a falta de informação correta de algumas pessoas tenha levado a uma discussão infundada”. Segundo, Cleiber, o medo dos professores era o de perder titularidade e plano de carreira. (Não sabia o vereador que o medo dos professores era outro).

A matéria trazia por título que o vereador em questão “desmente boatos e esclarece projeto do piso dos professores”.  O nobre legislador, defende que o texto apresentado na Câmara seria um mero cumprimento de uma legalidade federal. O texto traria apenas uma correção salarial aos queridos professores para que seus salários se equiparassem ao que exigia a lei do piso nacional. Ainda pode ser visto no vídeo que o Sr. Cleiber Junior, acentua e reafirma que o projeto, em nenhum momento, e de forma alguma lesava os educadores municipais. Não passa de um texto a respeito do reajuste salarial que seria pago aos professores do Município de Jaraguá.

A matéria do Folha de Jaraguá pode ser lida aqui:

http://www.folhadejaragua.com.br/index.php/politica/3446-vereador-desmente-boatos-e-esclarece-projeto-do-piso-dos-professores

 

O vídeo, se ainda não foi retirado do ar, o que deve acontecer em breve, pode ser visto aqui:

Fonte: youtube, Publicado em 14 de out de 2015  no canal do Folha de Jaraguá.

Logo após o vídeo ser divulgado, uma chuva de comentários e notas de repúdio por parte dos professores e de pessoas se preocupam com educação, foram postados nas redes sociais, principalmente no grupo do Folha de Jaraguá, onde foi publicado o vídeo, alguns professores afirmam que todos os comentários que contradiziam e desmascarava as falas do vereador foram apagados. Hoje entramos em uma publicação e lá consta apenas três comentários, mas não creio que não seja verdade que comentários foram apagados. A questão é que a postagem está em vários espaços da rede social. Para terem acesso a postagem que mais foi comentada terão de entrar no perfil “Folha de Jaraguá” e não no grupo ou na página do Folha.am apagados não podemos afirmar.

 

Alguns professores, questionaram, inclusive o porquê de o Folha de Jaraguá, não buscar a imparcialidade dos fatos e ouvirem também a verdade do Sindicato dos professores, ou mesmo, entrevistar também algum dos professores que fazem parte da comissão que tanto tenta se reunir com o prefeito, o qual sempre desmarca ou deixa para uma próxima data.

O problema é que com muita razão os professores não gostaram muito das afirmações levianas do vereador. E, claro, lotaram a Câmara municipal no dia da apresentação do projeto.

Nas redes sociais o assunto foi amplamente debatido nos dias 14 e 15 de outubro (Dia do professor), muitas e muitas mensagem contra o projeto e contra as falas do representante do poder legislativo que aparece no vídeo, uma vez que no entender dos educadores e do Sintego, que é um sindicato que tem poder legal para defender os direitos dos professores no Município de Jaraguá, o projeto não estava sendo questionado por questões de tirar direitos adquiridos como titularidade e plano de carreira, mas sim, por desrespeitar a  Lei Federal Nº 11.738, DE 16 DE JULHO DE 2008. Segundo professores, é inclusive um desrespeito, por parte do prefeito, uma vez que o reajuste do piso, deveria ter sido feito em janeiro (data base fixada na lei) e, se realmente o prefeito e os vereadores querem cumprir a lei,  por lei deveria ser 13% de reajuste e o prefeito, só após dez meses, resolve tomar uma atitude e quando faz, tem a capacidade de oferecer 3%, ou seja, um prejuízo que, somando dez meses, beira quase R$ 2000,00 de perda para cada profissional da educação municipal, sim, 10% de perda salarial em dez meses é uma grande perda.

Reafirmando: Para cumprir a lei o prefeito deveria propor um reajuste de 13% e retroagir o pagamento do mesmo ao salário de janeiro de 2015, que é o que diz a lei, o prefeito oferece 3% e, dizendo outra vez, já estamos em outubro. Sim, o prefeito quer dar um calote de 10%, desrespeitando claramente a lei.

O prefeito, bem informado que é, deve saber, assim como o Vereador Cleiber Junior, que se um prefeito provar que seu município não tem condições de pagar o piso salarial aos professores, o Governo Federal completará o valor. Para isso, no entanto, não basta nem bastaria o prefeito apenas afirmar que não consegue pagar os salários de acordo com a lei federal, deverá, esse prefeito, abrir as contas públicas e provar que não há possibilidade do cumprimento da lei. Provar que não há desvio de funções dentro da secretaria de educação, que não há verbas da educação comprometidas de forma indireta. Algo bem simples, mas que se o prefeito não o faz, resta-nos acreditar que há, sim, toda a condição de cumprir a lei.

Diante da polêmica, causada pela matéria do Folha de Jaraguá que, ao que parece não fez por maldade, apenas quis ajudar um amigo vereador a ganhar um pouco de mídia pessoal. Não condenamos, afinal que mal há nisso? (Claro que sugiro ao amigo Rarilton, que já deu provas de é o melhor comunicador que temos em Jaraguá que publique outra matéria expondo a versão dos fatos pelo ponto de vista dos educadores).

Desta forma, o prefeito teve de agir rápido, já que o Sintego entrou na conversa e logo iria parar no Ministério Público e os professores já haviam,  inclusive formado uma comissão, a qual liderada pelo sindicato, a partir da semana que vem iriam tomar as medidas plausíveis nesse tipo de situação. Nesse sentido, prefeito Ival, sensatamente, deve retirar o projeto que iria começar a ser debatido na Câmara e fazer, agora sim, as reuniões com o sindicato e com a comissão de professores e juntos tentarão buscar o melhor caminho para esse impasse.

Antes tarde do que nunca. E mesmo que de forma meio torta, o vereador e o Folha de Jaraguá ajudaram a fortalecer o grupo dos professores que agora, com toda a razão, vão lutar para que a lei seja realmente cumprida.

Claudio Bertode

Formado em Letras pela Universidade de Brasília, Cláudio Bertode é Poeta, Cronista e Educador na Rede Pública e Privada do Estado de Goiás.