Policiais sentindo na pele o jeitinho Marconi de manter promessas

 

Em reunião da direção das forças de segurança pública do Estado – Polícia Civil, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e Agência Prisional, no Palácio das Esmeraldas, o governador Marconi Perillo (PSDB) anunciou que não iria cumprir o acordo de reajuste de 12,33% previstos para esse mês de novembro. O governador alegou a “crítica situação financeira do Estado”, para o descumprimento do compromisso. Em nota, o Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Goiás (Sinpol) repudiou a atitude do governador.

De acordo com o governador, apesar da receita ter crescido, a folha dos servidores encontra-se comprometida, gerando déficit mensal entre R$ 50 e R$ 200 milhões. Agora, o chefe do Executivo tenta enrolar novamente a categoria, pedindo novo prazo de um ano para o cumprimento da promessa.

O aumento havia sido concedido com a aprovação das leis 18.419/14, 18.420/14 e 18.421/14, sancionadas em abril de 2014, às vésperas do período eleitoral. Posteriormente, a pedido do governador, as leis foram modificadas, condicionando o repasse do aumento ao crescimento real da receita do Estado nos 12 meses anteriores ao da vigência do reajuste aprovado.

O Sinpol manifestou repudio ao “descaso com que o governo vem tratando o servidor público e, por consequência, a Segurança Pública”. A entidade afirmou ainda que não irá compactuar com a ingerência e omissão da administração e assegura seu comprometimento com a categoria. O Sindicato anuncia que “buscará promover todos os meios para que esse mínimo direito seja mantido, juntando forças com as demais entidades representativas e propondo as ações judiciais cabíveis”.

Fonte: Goiás Real

Claudio Bertode

Formado em Letras pela Universidade de Brasília, Cláudio Bertode é Poeta, Cronista e Educador na Rede Pública e Privada do Estado de Goiás.