Poesia: confissões

Confesso que tenho um lado criminoso
Por exemplo, guardo na gaveta um caderninho
Com frases drummoniadas
Que chamo de meus versos possíveis…

Confesso que escrevi
Os palavrões no muro da igreja
Palavras garrafais bocetamente escritas

Eu nunca namorei as mocinhas de família
Nem as puritanas
Nem as sinceras casamenteiras

Confesso que dormi na beira
Da estrada de uma cidadezinha do interior
Com duas prostitutas que nem sei o nome…

Talvez eu seja poeta menos por escrever versos
Mais por uma deficiência
Ah! Esse aleijão no olho
Que impossibilita ver o mundo como as pessoas simples…

Claudio Bertode

Formado em Letras pela Universidade de Brasília, Cláudio Bertode é Poeta, Cronista e Educador na Rede Pública e Privada do Estado de Goiás.