Falta de civilidade envergonha o processo democrático nas eleições municipais

Desde assassinato, casa de candidato alvejada com tiros, pedradas, espancamentos e outras coisinhas estranhas marcam o clima das eleições municipais no interior de nosso estado.

Em São Francisco, um homem foi assassinado durante o pleito, em outra cidade do interior, a casa de um candidato foi alvejada com tiros. Em Jaraguá, uma coordenadora de campanha foi agredida com uma pedrada. Um ex candidato foi agredido,  sem falar de várias denúncias de tentativa de intimidar a liberdade de manifestação de apoio ao seu candidato preferido; ameaçando a perda de emprego, etc. Cabos eleitorais retiram adesivos de candidatos adversários dos carros, cujos donos não estão por perto, com isso danificam a pintura e causam prejuízos para os donos dos automóveis.

Tem ainda os candidatos que parecem porcos, passam em nossas ruas e enchem nossas caixinhas de correio de santinhos, e panfletinhos. Tem também os factóides, espelham pela cidade que o candidato tal fez isso ou fez aquilo. Mancham a reputação das pessoas, tentam denegrir a imagem e a moral. Claro que ninguém sabe quem começou o boato; a única coisa que temos certeza é que é muito difícil esclarecer e mostrar verdade em relação aos fatos.

Tem candidato tentando ganhar eleição à custa de pagar cerveja e promover churrasco. Claro que tudo é feito de uma maneira bem discreta e difícil de ser comprovada, uma vez que quem ganha não vai sair por aí dizendo que ganhou e quem tenta comprar voto dessa forma, também tem motivos de sobra para deixar tudo bem embaixo dos panos. Resultado disso, é adolescentes embriagados todas as tardes na cidade e perambulando com carros e bandeiras atrapalhando o trânsito e a segurança das pessoas de bem que voltam do trabalho. Claro que a polícia não tem culpa, tenta fazer bem seu trabalho, mas o contingente é muito grande para tão poucos agentes.

A certeza que temos de tudo isso é que quem perde com isso é só a democracia. Essa paixão toda, essa agressividade, falta de civilidade é uma atitude que os candidatos não têm, uma vez que um candidato hoje está em um grupo; amanhã pode ser vice na chapa de outro. Um candidato é pré candidato a prefeito, daí duas semanas ele é cabo eleitoral de outro grupo.

Agora os eleitores brigões ficam se engalfinhando, agredindo-se. É preciso que tomemos consciência de que independente de quem ganhe os pleitos municipais, nossa tarefa maior vai ser torcer para que seja um bom administrador e que precisamos estarmos todos juntos e munidos do mesmo desejo de fazer com que o novo prefeito cumpra com suas promessas e projetos de campanha. Temos de parar de usar a lógica de que se meu candidato não ganhar; tenho de torcer para que o vencedor faça uma má administração para eu poder apontar o dedo para os que votaram nele e dizer: “você são culpados, porque votaram nele”.

Temos que lembrar que na hora do todos votamos em quem achamos melhor, mas na hora de cobrar, somos todos cidadãos e todos sairemos perdendo no final de uma má administração .

 

Cláudio Bertode.

S.O.S Voz

Claudio Bertode

Formado em Letras pela Universidade de Brasília, Cláudio Bertode é Poeta, Cronista e Educador na Rede Pública e Privada do Estado de Goiás.